04/01/2017

Esperança

Tantas formas revestes, e nenhuma
Me satisfaz!
Vens às vezes no amor, e quase te acredito.
Mas todo o amor é um grito
Desesperado
Que apenas ouve o eco...
Peco
Por absurdo humano:
Quero não sei que cálice profano
Cheio de um vinho herético e sagrado.

(Miguel Torga)

Amara Mourige

3 comentários:

  1. Linda poesia! bjs praianos, tuuuuuuuudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  2. Maravilhoso momento querida amiga desejo-lhe uma quinta-feira muito feliz beijinhos muitas felicidades

    ResponderExcluir
  3. Belíssima escolha!
    Estar de volta aqui na blogosfera, e em seu blog é muito bom!
    Um abraço carinhoso

    ResponderExcluir